lundi 20 décembre 2010

Elementos para um estudo do fundamentalismo

E-mail para um amigo que pesquisa o assunto

Só alguns detalhes para você entender o porquê da bibliografia um pouco extensa. O fundamentalismo, quer escatológico, ou não, não é um fenômeno importado a partir de alguns autores. O fundamentalismo combina realidades culturais e sociais importantes. Devemos ressaltar três delas: a onda milenarista, produto do final de milênio e final de século. Isso já tinha acontecido com o cristianismo nos 900 de nossa era. Está documentado e foi uma loucura. Essa onda milenarista nós vivemos nos anos 1900. A segunda onda deve ser acrescentada a primeira -- foi o crescimento do mundo dito secular -- que é uma construção do protestantismo, leia Tillich --, com o desenvolvimento da indústria, das cidades, da ciência, da teologia acadêmica e o fim da família patriarcal, foi uma reação da igreja, de defesa, através da construção de muralhas de fundamentos, que delimitassem o espaço da fé. A terceira onda foi a expansão da fé evangélica, não mais do protestantismo histórico, mais de um evangelicalismo de respostas imediatas ao secularismo, por um lado globalizado e por outro crescentemente nacionalizado, que se expandiu pelas Américas, em especial pelo Brasil, pela África e Ásia.  Estas três ondas, que se combinaram e criaram fenômenos novos, têm que ser entendidas como acontecimentos globais que caracterizaram o viver evangélico nos anos 1900. Esses fenômenos culturais e sociais, globalizados, de reação ao admirável mundo novo que surgia, e a nacionalização da fé, estão presentes a nossa volta. Caso você conheça um pouco de vida da igreja, vai ver como pastores e fiéis temem o mundo real, todo ele surge como coisa do diabo, tudo é ruim, espinhento e aponta para o inferno. As importações, que mais do que importações são movimentos da globalidade, já que somos influenciados, mas influenciamos também -- o jeitão neopentecostal brasileiro está a invadir o mundo, tanto o primeiro como o terceiro.  Assim, as leituras teológicas não teriam força de penetração se algo maior, que tocasse coração e mentes, não estivesse acontecendo. A tendência histórica é um arrefecimento de tais fenômenos, mas isso vai exigir, possivelmente, mais um século. Não se esqueça que os fenômenos na igreja são históricos.

Donde, a bibliografia geral baixo procura introduzir você na análise do fundamentalismo como fenômeno cultural, histórico e social -- realidade que ainda não entregou os pontos na modernidade líquida.

Era isso que gostaria de somar e multiplicar com você. Só para seu conhecimento... Vou colocar este e-mail no meu blog. Fica com Deus e atenção porque o seu tema é de relevância para o estudo do cristianismo evangélico na alta modernidade.

Fica com Deus, camarada.

Bibliografia para introdução ao tema

ARMSTRONG, Karen, O fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BAPTISTA, Saulo, Fundamentalismo e Modernidade, São Bernardo do Campo, Revista Caminhando, vol. 8, n. 1 [11], 2003.

BOURDIEU, Pierre, A Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1998.

CHAUÍ, Marilena. Fundamentalismo religioso: a questão do poder teológico-político. Filosofia Política Contemporânea: Controvérsias sobre Civilização, Império e Cidadania. Atilio A. Boron, 1a ed. Buenos Aires, Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales - CLACSO; São Paulo: Departamento de Ciência Política. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. Abril 2006. ISBN-13:978-987-1183-40-1

DEROSCHE, Henri, Dicionário de Messianismos e Milenarismos. São Bernardo do Campo: UMESP, 2000.

GALINDO, Florêncio, O fenômeno das seitas fundamentalistas. Petrópolis: Vozes, 1995.

GOUVÊA, Ricardo Quadros et alii, O que eles estão falando da Igreja, São Paulo, Fonte Editorial, 2010.

HARBIN, Christopher B., O Impacto do Fundamentalismo na Revisão Teológica da Declaração de Fé Batista de 2000. 

LIBÂNIO, João B.; BINGEMER, Maria Clara L. Escatologia Cristã. Série III A Libertação na História. Petrópolis: Vozes, 1996.

MENDONÇA, Antonio Gouvêa, O Celeste Porvir: a inserção do protestantismo no Brasil. São Paulo: ASTE, 1995.

MENDONÇA, A. G. e Velasques, F. P., Introdução ao Protestantismo no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

OTTO, Rudolf. O Sagrado. Um estudo do elemento não-racional na idéia do divino e sua relação com o racional. Trad. Prócoro Velasques Filho. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1985.

PACE, Enzo e STEFANI, Pierro. Fundamentalismo religioso contemporâneo. Paulus: Coleção Fé e Mundo Pós-moderno-2, 2000.

PINHEIRO, Jorge, “Dá para ver o caminho”, “Torre de névoa”, “Onde está o chão” in Teologia Humana, São Paulo, Fonte Editorial, 2010.

SCHWEITZER, Louis, “O Fundamentalismo Protestante”. In. Fundamentalismos, Integrismos. Uma Ameaça aos Direitos Humanos. São Paulo, Paulinas, 2001.

Tomka Miklos, “A fragmentação do mundo das experiências na época moderna”, em Concilium 271 (1997) 11-27.

____________, “Fundamentalismo, Integrismo, Seitas na Igreja”, em Concilium 279 (1999) 139-145.

____________, “Individualismo, mudança de valores, sociedade de satisfação imediata. Tendências convergentes na sociologia”, em Concilium 282 (1999) 34-47.

Enregistrer un commentaire