mardi 11 octobre 2011

Eu, você e o eterno

O humano herdou do Eterno nomeado sistemas que possibilitam o relacionamento com a transcendência e viver a presença dessa transcendência na existência material. A imagem do eterno tem um poder extraordinário. Ela afeta a psique do humano com tal força que, diante dela, nos perguntamos: esse imagem é real? E perguntamos isso porque está nomeado que só um é eterno, pai de todos, que está acima de todos e que atua através de todos e em todos (Ef 4.6). Donde, outra questão nos é colocada: somos ou não proprietários do poder? O humano tem o desafio de vencer obstáculos e construir a existência, herdou potencialidades. Não é proprietário do poder do Eterno nomeado, mas não nasceu tabula rasa, deve construir consciência. Trouxemos sistemas que nos possibilitam ser humanos. Somos imago Dei.

Quando olhamos para o humano percebemos que o transcendente é fundante, porque as imagens ancestrais estão relacionadas com a construção da consciência. Ou seja, devemos trabalhar pelo que permanece e que é entregue pelo eterno
(Jo 6.27). Temos, por isso, que descobrir as leis eternas, mas intuímos que, em última instância, brotam da união da transcendência presente nas bordas da existência com o Eterno nomeado. Ou seja, em relação ao Eterno, o humano tem a capacidade de integrar a eternidade no modelo da existência.

O Eterno se identifica com as imagens nomeadas, é espírito de conhecimento e sabedoria que atrai
(Ef 1.17), mas tais imgens nomeadas nem sempre estão conscientes e vivas na existência pessoal. Isto é um perigo, porque a identificação não consciente leva à idolatria, fica-se amarrado por dentro, sem usufruir da possibilidade de saltar do mundo interior em direção à transformação da realidade que alucina.

Quando o eterno não potencializa efetivamente a consciência humana, nem experimentamos o processo de individuação que faz de nós imago Dei, que nos leva ao confronto entre as realidades do que está dentro com o que está fora, não usufruimos do que está nomeado e deve ser construído. Embora a decisão da eternidade é que sejamos filhos, pois fomos gerados por ela em por issom devemos destuir o que é de barro
(Sl 2.7-9). Quando essa construção não se dá, somos sombra. Somos sem destino.
 
O desenvolvimento da consciência retoma as características do Eterno nomeado, pois a todos
foi dado as ferramentas necessárias (Ef 4.7) que possibilitam a construção da relação do que é pessoal com o que é eterno. Isso é desenvolvimento humano. Quando a transcendência brota nas vidas temos consciência dos perigos da existência. E o espírito humano parte para o desafio de criar estruturas para suportar tanto a realidade interna como a realidade externa, a fim de identificar os demônios que querem nos lançar nas profundezas do mar infinito.

O espírito humano deve construir estruturas de diálogo entre as alegrias e as angústias da existência, pois
não há nada melhor do que gozar o resultado daquilo que se faz. Essa é a recompensa (Ec 3.22). Céu e terra é correlação necessária, porque na presença do eterno que se faz consciente a liberdade humana é polaridade, é viver a vida diante da tirania do não-ser.