samedi 2 mars 2013

A ideologia de ficar rico com Jesus -- última parte

Última parte

A cegueira espiritual
Mas a cegueira frente ao não-estar é cegueira do mundo: leva a não enxergar o sentido existencial das vidas. Podem as comunidades evangélicas superar tal cegueira espiritual? Podem olhar, ver a realidade, e dar uma contribuição relevante para a libertação das pessoas? Os líderes das igrejas evangélicas que buscam poder, e oferecem a promessa do ficar rico com Jesus aprofundam a cegueira. Estão no vazio espiritual, imersos na cultura do dinheiro, do consumo e do mercado.

Diante de nós se abrem dois caminhos, um caminho de vida e um caminho de morte, um caminho de igualdade e um caminho de domi­nação, um caminho de justiça coletiva e um caminho de tirania disfarçada, um caminho de sustento global e um caminho de suicídio global. O caminho da morte é o sistema econômico predominante, construído sobre o cinismo e o desejo da destruição, satisfeito em desfrutar o poder e a afluência às custas do Terceiro Mundo e das gera­ções futuras. O caminho da vida exige conversão, mudança de dire­ção, escolha de novas opções, como ocorreu para aqueles que ouviram os pregadores deuteronomistas. Naquele tempo era o futuro de Israel que estava em jogo, agora é o futuro da humanidade e do planeta.
[1]

Como ouvir o clamor dos caídos à beira do caminho nessa gritaria neoliberal que reduziu tudo ao discurso do mercado transcendentalizado? Precisamos voltar ao discurso profético, bem ao estilo do homem de Nazaré, o discurso do pensamento divergente, criativo e dinâmico.

A teologia da vida, expressa no programa de Jesus, tem força e direção moral para a caminhada pastoral das comunidades de fé. Clama na perspectiva global da reforma radical.

E uma das constatações é que essa igreja evangélica rica, espelho de Laodicéia, carece ela própria ser libertada pelo Espírito da liberdade em Cristo Jesus, fonte de sentido. Aos olhos da fé cristã, que o sentido da vida se perca é dramático, mas resta uma esperança, ainda que extrema, a escatológica. Mas que a ação e proclamação de Jesus desapareçam é muito pior: é trágico. Quando não se responde à pergunta “para que sou evangélico?", o próprio viver cristão é posto em xeque e, faltando-lhe a esperança, perde sua força.

A igreja tem pela frente não só a questão da miséria material, mas também a da miséria existencial. Ela não é só chamada a ser profética, mas também kerigmática. As demandas que lhe são dirigidas não são apenas por pão, mas também por sentido. A isso a Jesus chama palavra e diz que disso também vivem os humanos!

Isso significa que a igreja é chamada não só a ser libertadora, mas a afirmar sua específica teologicidade. São suas bases que devem ser renovadas e de novo garantidas. A tradição da fé não acontece por vias da tradição cultural. O mundo não é apenas injusto, mas também sem-sentido. Em nome de que mudar as estruturas, se a vida não vale a pena? A fé cristã nunca foi totalmente funcional a qualquer cultura ou sociedade. A fé é essencialmente crítica já ao nível antropológico e existencial, justamente porque põe em xeque o destino do humano, confrontando-o com o mistério transcendente. Por isso será, em princípio, disfuncional ao sistema do mundo. Mas na sociedade secularizada, a criticidade intrínseca da fé se duplica em criticidade cultural e histórica. E o clamor se desloca da libertação cultural e social para o sentido espiritual da vida. E isso não apenas para as pessoas, mas para as próprias comunidades de fé.

Sob as asas do Espírito

A busca de sentido é a da fome e sede do Espírito. Partindo dessa perspectiva teológica, a questão do sentido da vida, colocada pelo sábio de Eclesiastes, não é típica das classes privilegiadas, nem exclusiva delas. Mas envolve a todos.

E aqui entra a dimensão existencial da questão. Os que estão à margem, caídos no não-estar, são gente. E é porque são gente que, mesmo quando pelo viés da resposta às necessidades imediatas, buscam as igrejas de milagres para a solução de seus problemas.

Mas, então, sob as asas do Espírito, fica superada a dimensão existencial da questão? Claro que não, pois a fé enfatiza com vigor a liberdade específica. Em relação aos novos desafios, o importante é discernir. Para isso, cumpre manter um pensamento forte frente às convicções, ao que se refere à identidade, consciente de que a tentação da igreja é capitular aos deuses do mercado.

Sem dúvida, vivemos num mundo de desolação, mas diante disso é o caso de perguntar: que desafios o programa de Jesus coloca. Os filósofos choram as dores do mundo, como Schopenhauer, porém a igreja é chamada a analisar a realidade e a viver o clamor profético. Por isso, o Espírito é vida na igreja herdeira do profetismo bíblico, que clama nos momentos de desolação e levanta a esperança escatológica.

E a esperança não é mero desejo, parte do conhecimento da realidade, da compreensão dos movimentos a favor da vida que, ainda minoritários num determinado momento, se levantam. A esperança coloca-se acima do momento presente.

Movido pelo Espírito da vida, Lucas destacou que o ano do Senhor teve início naquele kairós pronunciado na sinagoga de Nazaré. O kairós de Jesus significa o nascimento de uma nova época, um tempo que se caracteriza pelo anúncio de uma boa notícia. Mas como anunciar esta novidade quando, aparentemente, fazemos parte de uma geração alienada e apática?

Quando comparamos o texto analisado com dois outros de Lucas (At. 2.42-47 e 4.32-35), vemos que a comunidade de Jerusalém entendia que a ecclesia devia ser construída sob uma ordem de convivência que possibilitasse vida plena a todos.

É aqui que as águas se dividem: o culto a Mamon, príncipe do inferno, congela os corações e paralisa as ações, mas homens e mulheres têm a urgência de um recém-nascido, clamam por vida em abundância. Somos chamados a nos deixar despertar pelo choro e pelo grito dos que não-estão, excluídos e oprimidos pelo mundo, pela carne e pelo diabo.

É tempo de levar a boa notícia aos que existencialmente não-estão: Jesus integra os excluídos (Ef 1.3-14), liberta os subjugados (Gl 5.1), dá olhos aos cegos (8.12) e sentido aos angustiados (Mt 11.29-30; 1Pe 5.7).

Naquele sábado, na sinagoga de Nazaré, Jesus expôs o programa do seu estar entre nós. A graça do Senhor deve ser noticiada aos que não-estão. A ressurreição deu o imprimatur do Eterno àquele programa e à igreja cabe, sob as asas do Espírito, levá-lo às gentes.





Bibliografia 
ALVES, Rubem, Da Esperança, Campinas, Papirus Editora. Título original em inglês: Towards a Theology of Liberation, Corpus Book, Washington, 1969. Tradução: João-Francisco Duarte Jr.
ASH, A. L. O Evangelho Segundo Lucas. São Paulo: Vida Cristã, 1980.
ASSMANN, H. & HINKELAMMERT, F., Idolatria do mercado, Petrópolis: Vozes, 1989.
BARBOSA, Lívia, Igualdade e meritocracia: a ética do desempenho nas sociedades modernas. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999.
BOFF, Clodovis, A Teologia da Libertação e a crise de nossa época, in Teologia e Cultura, AESTE, Associação Ecumênica de Estudos Teológicos (no site Serviços Koinonia).
BOFF, Leonardo, Jesus Cristo, Libertador, 16ª edição Petrópolis, Vozes.
BRATCHER, R. A Translator’s Guide to The Gospel of Luke. London: UBS, 1982.
CASTELLS, Manuel. O poder da identidade, A era da informação: economia, sociedade e cultura. Vol. 2. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.
COMBLIN, José, Cristãos rumo ao século XXI: nova caminhada de libertação, São Paulo: Paulus, 1996.
_____________, A teologia na presente perspectiva,
www.redemptor.com.br/~soter.
CROSSAN, John Dominic, O Jesus Histórico, a vida de um camponês judeu do Mediterrâneo, São Paulo, Imago, 1994.
DREIFUSS, René A., A época das perplexidades. Mundialização, globalização e planetarização: novos desafios, Petrópolis: Vozes, 1996.
DUSSEL, Enrique, Teologia da Libertação, um panorama de seu desenvolvimento, Petrópolis, Editora Vozes, 1999.
______________, Ética da Libertação na idade da globalização e da exclusão, Petrópolis, Editora Vozes, 2000.
ECHEGARAY, Hugo, A Prática de Jesus, Petrópolis, Vozes, 1982.
FITZMYER, J. A. The Gospel According to Luke I-IX. New York: Doubleday, 1981.
FUKUYAMA, F., O fim da história e o último homem, Rio de Janeiro, Rocco, 1992. FURTADO, Celso, O mito do desenvolvimento econômico, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1974.
GALBRAITH, John Kenneth, A sociedade justa: uma perspectiva humana, Rio de Janeiro: Campus, 1966.
_______________________, A cultura do contentamento, São Paulo, Pioneira, 1992.
GODET, F. A Commentary on The Gospel of St. Luke. Edinburgh: T. & T. Clark, s. d.
GORRINGE, Timothy J. O Capital e o Reino, ética teológica e ordem econômica, São Paulo, Paulus, 1997.
GUTIERREZ, Gustavo, Falar de Deus a partir do sofrimento do inocente: uma reflexão sobre o livro de Jó, Petrópolis, Vozes, l987.
__________________, Teologia e Sociedade, in Congresso da Sociedade de Teologia e Ciências da Religião/SOTER, Teologia na América Latina: Prospectivas, Belo Horizonte, 24-28 de julho de 2000.
HABERMAS, J., Discurso filosófico da modernidade, Lisboa, D. Quixote, 1990.
HIGUET, Etienne, Medellín e o método da Teologia da Libertação, in A maioridade da Teologia da Libertação, Estudos de Religião nº 6, abril de 1989, p. 69.
HUNTINGTON, Samuel, O choque das civilizações. Rio de Janeiro, Objetiva, 1997.
JONES, E. Stanley, Christ alternative to communism, New York, 1953.
JOSEFO, F.
História dos Hebreus: Obra Completa. Tradução do grego de Vicente Pedroso. 9. ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2005.
MARASCHIN, Jaci, A Teologia da Libertação torna-se adulta, in A maioridade da Teologia da Libertação, Estudos de Religião nº 6, abril de 1989, pp. 7-8. 
MONDIN, Batista, Os teólogos da libertação, São Paulo, Edições Paulinas, 1980.
MORRIS, L. Lucas – Introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 1990.
NORTH, Robert S. J., Sociology of Biblical Jubilee, Roma, Instituto Bíblico Pontifício, 1954.
NOVAK, M., O Espírito do capitalismo democrático, Rio de Janeiro: Nórdica, s/d.
SEGUNDO, Juan Luis, Massas e minorias na dialética divina da libertação. São Paulo: Loyola, 1975.
PIKAZA, Xabier, A Figura de Jesus: Profeta, Taumaturgo, Rabino, Messias, Petrópolis, Vozes, 1995.
PLUMMER, A. Gospel According to St. Luke. ICC. New York: Charles Scribner’s Sons, s. d.
REILING, J. & SWELLENGREBEL. A Translator’s Handbook on The Gospel of Luke. Leiden: UBS, 1971.
SANTA ANA, Júlio de, Teologia e modernidade, in A maioridade da Teologia da Libertação, Estudos de Religião nº 6, abril de 1989, p. 31.  
SCHMID, J. El Evangelio Según San Lucas. Barcelona: Herder, 1968.
SOROS, George, A crise do capitalismo. Rio de Janeiro: Campus, 1999.
SUNG, Jung Mo, Teologia e economia, 2ª ed.,Petrópolis: Vozes, 1995.
TROCMÉ, Etienne, Jésus-Christ et la révolution non-violente (vv.aa.), cap. III, Genebra, Labor et fides, 1961.
VERMÉS, G., Jesus, O Judeu, São Paulo, Loyola, 1990.
WITHERINGTON III, Ben, The Christology of Jesus, Minneapolis, Fortress, 1990.
WEBER, Max, A ética protestante e o espírito do capitalismo, 3a. ed., São Paulo: Pioneira, 1983.
YODER, John Howard, A política de Jesus, São Leopoldo, Sinodal, 1988.
Citação

[1] Gorringe, Timothy J. O Capital e o Reino, ética teológica e ordem econômica, São Paulo, Paulus, 1997, Quarta Parte, Dois Caminhos, pp. 211-227.


Enregistrer un commentaire