jeudi 31 octobre 2013

Reforma Protestante, Ano 496

A Reforma. Um ato de liberdade
Entrevista especial com Vítor Westhelle
Instituto Humanitas Unisinos -- IHU

“Hoje se escreve sobre o Lutero católico. É bom lembrar que seu impacto revolucionário não foi sua intenção. Ele queria não mais que reformar a igreja. Ele nunca saiu da igreja católica, só foi excomungado da igreja de Roma”, diz o teólogo.

Foto: http://bit.ly/U0EyLO

“A Reforma criou foi um conceito de igreja pluricêntrica em que diferentes expressões são possíveis. Mas com isso também se estabelece um debate sobre convicções distintas. Contudo, nem tudo vale! Se existe um critério que define o movimento da Reforma, é aquilo que traz a Cristo. Este é o princípio fundamental”. A avaliação é de Vítor Westhelle, ao comentar os 496 anos do movimento reformista cristão, iniciado por Martinho Lutero no século XVI, ao publicar as 95 teses na porta da igreja do Castelo de Wittenberg, no dia 31 de outubro de 1517.

Na entrevista a seguir, concedida à IHU On-Line por e-mail, o teólogo ressalta que, para os protestantes, “Cristo é o da cruz e do sofrimento, bem como da ressurreição. A tentação é sempre passar de lado ou por cima da cruz e evitar o labor do luto para celebrar uma ressurreição de um corpo desencarnado”. E acrescenta: “Esta talvez seja a ‘cruz’ que a Reforma tenha de carregar desde que a noção de prosperidade começou a ser difundida pelos pioneiros puritanos na América do Norte, como magistralmente mostrou Max Weber no seu clássico A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”.

Quase 500 anos depois da Reforma, Westhelle acentua que permanece entre os protestantes uma “atitude que dá vazão à liberdade”. E acrescenta: “As fixações das 95 teses deLutero e suas iconografias apenas indicam um evento que nos faz rememorar que um ato de liberdade é possível. Não se trata de fantasmas de halloween, mas da presença encarnada de Deus, em todos os lugares e em todos os tempos”.

Vítor Westhelle é graduado em Teologia pela Escola Superior de Teologia – EST, de São Leopoldo, e mestre e doutor em Teologia pela Escola Luterana de Teologia de Chicago. De seus vários livros publicados, citamos O Deus Escandaloso. O uso e abuso da cruz (São Leopoldo: Editora Sinodal, 2008).

Foto: http://bit.ly/19SQxzb

IHU On-Line - Que atividades estão sendo preparadas no Brasil e no mundo em função dos 500 anos da Reforma?

Vítor Westhelle - Em vários níveis nacionais e internacionais planejam-se eventos e publicações. No Brasil, por iniciativa das duas principais igrejas de confissão luterana, no ano passado houve um evento no Plaza San Rafael, em Porto Alegre, em que se lançou o quinquênio para rememoração da Reforma do século XVI, enfatizando um dos temas fundamentais do movimento reformatório, a liberdade Cristã. Na ocasião, um selo celebrativo foi lançado para dar continuidade e alentar o processo. Ao nível internacional, há diferentes programas organizados. A Igreja Evangélica da Alemanha, que reúne as igrejas regionais, tem um programa temático para uma década começando em 2007. AFederação Luterana Mundial também tem uma comissão, liderada por um brasileiro (Prof. Dr. Walter Altmann), para coordenar as atividades em nível internacional. Mas é importante lembrar que, embora Lutero seja a figura emblemática da Reforma, estas celebrações visam reunir todas as igrejas dela oriundas. Embora Lutero seja o que recebe a alcunha de “O Reformador”, há uma imensidade de outros reformadores e reformadoras, incluindo a “reforma” ibérica, normalmente conhecida como a Contrarreforma (porquanto se manteve dentro da Igreja de Roma) e associada a nomes como Teresa de Ávila, João da Cruz eInácio de Loyola.

IHU On-Line - Que comparação é possível fazer entre a teologia de Lutero com as teologias protestantes contemporâneas, como o neopentecostalismo ou a teologia da prosperidade?

Vítor Westhelle - O que a Reforma criou foi um conceito de igreja pluricêntrica em que diferentes expressões são possíveis. Mas com isso também se estabelece um debate sobre convicções distintas. Contudo, nem tudo vale! Se existe um critério que define o movimento da Reforma, é aquilo que traz a Cristo. Este é o princípio fundamental. Porém, como isto se expressa é bastante variado. Mas este Cristo é o da cruz e do sofrimento, bem como da ressurreição. A tentação é sempre passar de lado ou por cima da cruz e evitar o labor do luto para celebrar uma ressurreição de um corpo desencarnado. Esta talvez seja a “cruz” que a Reforma tenha de carregar desde que a noção de prosperidade começou a ser difundida pelos pioneiros puritanos na América do Norte, como magistralmente mostrou Max Weber no seu clássico A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Como nas igrejas oriundas da Reforma não existe um magistério, uma voz que fale por toda a igreja e suprima a liberdade, os abusos inevitavelmente decorrentes devem e só podem ser corrigidos em um diálogo aberto sobre o que está no centro da própria fé: o Messias Jesus.

IHU On-Line - Num mundo em que a mercadoria tem alto valor simbólico por conta do consumismo, no qual vale a máxima “ter para ser”, como se enquadra a mensagem de um dos principais pilares da Reforma: a Graça de Deus? Por que essa mensagem não prospera nos dias de hoje?

Vítor Westhelle - Meu mentor e amigo, o jesuíta uruguaio Juan Luis Segundo (falecido em 1996) insistia sempre que o verdadeiro Cristianismo deveria ser sempre uma comunidade minoritária indo sempre contra a corrente. Ele sempre tinha muito respeito por Lutero (ainda que o criticasse também) pela maneira como ele entendia a igreja como uma minoria em peregrinação, o sal da terra! Para Segundo, como para Lutero, nada errado em si com o “ter”, mas isto é totalmente distinto de “ser”. Aquilo que se é não se estabelece pelo “ter”, mas pela coragem de “ser”. E este “ser” só acontece (é um evento!) no receber a dádiva divina que se chama graça, que é de graça; é ócio, não é negócio (que é a negação do ócio). Este receber é o que se chama fé, e nem mesmo a razão pode negociar com ela.

IHU On-Line - Por que, no Brasil, eventos como o Halloween é mais conhecido do que a Reforma?

Vítor Westhelle - Eu tenho morado parte do ano nos EUA pelas duas últimas décadas. Em Chicago, no bairro da universidade, a cinco quadras da residência dos Obama, onde é também minha residência lá, halloween bate de longe a Reforma. Mas o que me preocupa, no caso brasileiro, é esta chamada globalização da idiotice. Não se trata de lembrar a Reforma, simbolizada pela fixação das 95 teses de Lutero na porta da igreja do castelo de Wittenberg. (Aliás, do púlpito desta igreja, na celebração dos 495 anos do evento, tive a oportunidade de pregar no mesmo púlpito que Lutero ocupou muitas vezes.) Se algo do espírito da Reforma permanece, não é uma instituição chamada igreja, ou mesmo uma inscrição, uma pintura. O que permanece é uma atitude que dá vazão à liberdade. As fixações das 95 teses de Lutero e suas iconografias apenas indicam um evento que nos faz rememorar que um ato de liberdade é possível. Não se trata de fantasmas de halloween, mas da presença encarnada de Deus, em todos os lugares e em todos os tempos.

IHU On-Line - Que avaliação faz das relações de mútua influência entre a teologia católica e a teologia de Lutero nestes 500 anos?

Vítor Westhelle - Esta é uma questão interessante, pois muito hoje se escreve sobre o Lutero católico. É bom lembrar que seu impacto revolucionário não foi sua intenção. Ele queria não mais que reformar a igreja. Ele nunca saiu da igreja católica, só foi excomungado da igreja de Roma.

IHU On-Line - Quais são as particularidades e diferenças das posições dos principais reformadores: Lutero, Calvino, Huss e Zwinglio?

Vítor Westhelle - Há uma complexidade de assuntos que marcam algumas vertentes distintas que produziram as diferentes igrejas oriundas da Reforma. Hoje parecem questões atávicas, mas que estão engessadas em diferentes instituições eclesiásticas. Huss era para Lutero um mártir da igreja. Calvino, ele nem conheceu e era muito mais jovem que ele. Com Zwinglio, ele teve um debate na universidade de Marburg em 1529. Discutiram 15 teses. Eles concordaram sobre 14 delas. Discordaram sobre a real presença de Cristo na eucaristia. Zwinglio defendia que a expressão “isto é meu corpo” era simbólica ou representativa. Já Lutero, mais achegado à tradição da igreja antiga e de certo modo da igreja Romana, dizia que a presença era real, ainda que não concordasse com a teoria aristotélica-tomista da transubstanciação.

IHU On-Line - A teologia protestante sempre foi conhecida pelo ecumenismo. Que perspectivas vislumbra para o ecumenismo religioso?

Vítor Westhelle - Tenho algumas desconfianças com a expressão “ecumenismo”. Hoje ela conota uma abertura a outras igrejas ou religiões. Mas a palavra originalmente designa a expansão e os limites do Império Romano. Mas, na denotação atual, sim, o protestantismo tem uma vocação ecumênica, pois na sua origem sempre confessou que a igreja é una; só há uma igreja e esta é plural.

IHU On-Line - Qual a influência da Reforma em campos não religiosos, como a filosofia, as artes, as ciências e a política?

Vítor Westhelle - Quanto às artes, existe uma diferença marcante entre a ala reformada da Reforma (Zwinglio, Calvino), que traz consigo uma tendência iconoclástica, e a luterana. Para reformados, a arte é vista com suspeita, pois facilmente pode levar à idolatria. Para os luteranos, sempre foi uma questão chamada de adiáfora, algo não essencial, mas que pode ser muito válido.

Daí a importância, já na época de Lutero, da arte de um Dürer, Cranach, o velho (de quem Lutero foi amigo pessoal) e Cranach, o jovem. Todos estes abraçaram a Reforma.

Quanto à política, é muito arriscado ousar uma hipótese. Mas há quem tenha defendido a tese de que a clara distinção entre ética e religião, razão e fé em Lutero pode ter sido a razão para os regimes políticos da Escandinávia, cujas sociedades são as mais igualitárias do mundo.

Quanto à ciência, vale o mesmo. A distinção de competências entre fé e razão permite à ciência operar sem atrelamentos a dogmas. Os principais centros sobre ciência e religião que conheço são altamente influenciados por esta tradição, como Chicago, Copenhague, Berkeley, Munique, Frankfurt, etc.

Foi Osiander, um dos teólogos da Reforma luterana, que publicou a obra de Copérnico com um prefácio seu, pois esta não podia ser difundida em territórios católicos.

Na filosofia, dois dos grandes metafísicos da modernidade, Leibniz e Hegel, eram luteranos professos. O que é curioso, pois na tendência contra a metafísica temos um Kant, que era luterano, ou um Feuerbach, que se declarava ateu, mas se chamava de um segundo Lutero. Mas quem mais prezou a importância de Lutero foi o católico Heidegger em O Ser e o Tempo e, mais recentemente, Gianni Vattimo, filósofo italiano também católico professo, que declarou em uma entrevista recente: “Precisamos de um novo Lutero”.

Veja também:
Martinho Lutero e a Igreja Católica. Artigo de Otto Hermann Pesch
Martinho Lutero e a Igreja Católica. Artigo de Otto Hermann Pesch - 2ª parte
Ecumenismo protestante
"É preciso acabar com o ecumenismo imobilista". Entrevista com Friedrich Schorlemmer
''Ecumenismo agora!''. Um apelo
Estudo de Lucien Febvre retrata Lutero à luz do contexto social
Lutero, a justificação e o papa Francisco
Martinho Lutero, promotor das bases da laicidade
Dia da Reforma: um marco na história das religiões
Protestantismo: é tempo de refletir. Entrevista especial com Cláudio Kupka, Martin Dreher e Walter Altmann
Celebração conjunta católico-luterana, um bom começo para o entendimento interdenominacional
Lutero. Reformador da Teologia, da Igreja e criador da língua alemã. Revista IHU On-Line, no. 280

Artigos e entrevistas

18/10/2013 - ''Bergoglio não é Lutero''. Entrevista com Eugenio Bernardini
22/10/2013 - Uma ''rede de redes'' de sacerdotes e leigos para a reforma da Igreja. Artigo de Christine Schenk
31/10/2013 - “A reforma será profunda”, afirma membro do Conselho dos oito cardeais
15/07/2006 - A sociologia de Max Weber. Entrevista especial com Catherine Colliot-Thelene
14/11/2006 - O guardião da obra de Max Weber. Entrevista com Wolfgang Schluchter


Enregistrer un commentaire