jeudi 24 novembre 2016

Os Pinheiro, uma aquarela do que sou

O pai Isaac

Pinheiro é nome de uma família, incialmente de sefarditas, que foram declarados cristãos em Portugal. As primeiras referências remontam ao século XIII, embora estes primeiros não deviam ser oriundos do judaísmo. Esta linhagem parece ter saído dos Outiz, senhores de uma quinta que tratadistas dão por netos de Pedro Afonso Pinheiro, morador na província do Minho no ano de 1301 onde defendia por honra o lugar de Rebordões, freguesia de Insalde, concelho de Paredes de Couraesses, cuja geração manteve o sobrenome Outiz. 

Dois descendentes, João Esteves e Mór Esteves adotaram Pinheiro, que herdaram da casa paterna e casaram com filhas de Martim Lopes, ouvidor-geral das terras de D. Afonso, 1º duque de Bragança, Alcaide-Mór de Barcelos. Destes descendem gerações que usaram o sobrenome de Pinheiro.

Em 1411 viviam em Setúbal, Estevão Anes Pinheiro, Lourenço Gomes Pinheiro e Estevão Pinheiro. Eram todos originários de Barcelos, da familia Pinheiro. 

Os Pinheiro de Setúbal foram criados do Infante D. João, Mestre de Santiago. Em 1427, Dona Brites, filha do infante Dom João, registrou como criado Diogo Pires Pinheiro, neto de Estevão Anes Pinheiro. 

A hipótese é que os Pinheiro foram donos da herdade dos Pinheiros onde se fundou a aldeia de Pinheiros de Azeitão, nos quinhentos.

Nos séculos seguintes temos migrações dos Pinheiro para a Holanda, para as Antilhas e nos setecentos para o Brasil.

Esta é a história da família Pinheiro em Nevis  -- ilha do mar do Caribe, situada perto da extremidade norte do arquipélago das Antilhas -- e Barbados, conforme descrita por seus primeiros membros em relatos pessoais e familiares. Essas biografias foram levantadas a partir das primeiras gerações de membros da família Pinheiro que vieram para as Índias Ocidentais, em especial para as Antilhas. De todas as maneiras, nessas origens não estão relatadas a história dos membros da família Pinheiro que não vieram para as Antilhas.
 
Dentro desses relatos temos a figura de Isaac Pinheiro (1636-1710), que nasceu em Madrid, Espanha, em 1636 (Doop Trouwen Begraafboeken (DTB) 682:374). Casou-se com uma prima, Esther, em 27 de janeiro de 1656 em Amsterdam (DTB 682:374). 

Os relatos sobre a presença de seu pai e de uma irmã em Amsterdam, feitos por ele, por escrito, em 1708, indicam que esses primeiros membros da família Pinheiro participaram do êxodo marrano para a Holanda que ocorreu durante a primeira metade do século XVII (Sachar 1994:285). 

Isaac tornou-se comerciante em Nova York, conforme documento de 2 de fevereiro de 1695, mas em 1708 já estava em Nevis (Marcus 1970:99, Stern 1958:158). O primeiro registro da presença de sua família em Nevis foi o censo realizado em março daquele ano (Oliver, Volume 3:173-179). Segundo o censo, o clã dos Pinheiros era formado por dois homens brancos, quatro mulheres brancas, negros, e nove crianças. Segundo os registros a família de Isaac estava formada por Moisés, seu filho mais novo, Esther, sua mulher, e três filhas, Sara, Rebeca e Judith. 

Seu filho mais velho, Jacob e possivelmente o próprio Isaac não estavam presentes no momento do censo. Isaac, juntamente com Lewis Moisés Gomes, trabalhou como agente de exportação em Nova York ao lado de Abraham Bueno de Mesquita, também de Nevis (Stern, 1958:158). Isaac morreu em Nova York, no dia 17 de fevereiro de 1710. Foi sepultado no cemitério da Congregação Chatham Square, o Nova York Shearith Israel (Stern 1958:158; exterior 1952:453). 

Em 21 de novembro de 1855 suas cinzas foram transferidas para twenty-first Street burial ground. O que ficou legível da lápide foi Isaac Pinh e a data 1710, por isso foi inicialmente identificado como Isaac Pinhas (Pool 1952:453). Isaac deixou um testamento datado de 12 de novembro de 1708, que foi reconhecido em Nevis e certificado em Nova York em 12 de abril de 1711.
 
Segundo o que deixou registrado, seu pai foi Abraham Pinheiro, de Amsterdam. Sua irmã Rachel também morava Amsterdam. Sua outra irmã, Sarah, viveu em Curaçao, com o marido Isaac da Gama.
 
A mãe Esther Pinheiro

Esther nasceu em 1638 (DTB 682:374). Casou-se com seu primo Isaac em 27 de janeiro de 1656 em Amsterdam (DTB 682:374). De fevereiro de 1706 até 1707 morou em Nova York. A primeira referência à presença dela em Nova York está no registro de compra de uma escrava, Bastiana de Lord Cornbury, por quarenta libras no dia 13 de fevereiro de 1707 em Nova York (Pool 1952:454). 

A segunda referência é um recibo de mercadorias transportadas por Esther para Lewis Moisés Gomes de Nova York por conta de Mrs. Anne Levermore (Common Records of Nevis 1707-1728). Este recibo foi assinado em 20 de fevereiro de 1707. Não está claro para onde as mercadorias foram enviadas, a partir do recebimento. Esther estava provavelmente em Nova York no momento da recepção e entrega das mercadorias. Ela emigrou para Nevis possivelmente no ano seguinte, e foi registrada no censo da ilha em março de 1708 (Oliver, Volume 3:173-179). 

No momento da morte do marido, em 17 de fevereiro de 1710, foi em Nevis a executora do testamento, e enviou uma carta a Nova York com data de 19 de abril de 1710. Nesta carta nomeou Rip Van Dame e Luís Gomez, da cidade de Nova York, comerciantes, seus advogados, a fim de acertar as contas de Isaac no Citty Said [sic] de Nova Iorque e em relação a outros credores (Hershkowitz 1966:338, 341). 

Após a morte de Isaac, Esther foi uma comerciante bem sucedida, proprietária de terras, e um membro ativo da comunidade judaica de Nevis. Aparecia com freqüência nos registros do tribunal de Nevis, entre 1708 e 1723, devido suas cobranças de dívidas das mercadorias comercializadas (Common Kings Bench 1705-1716, 1715-1723). Entre 1716, 1717 e 1718 fez visitas aos portos de Boston e Nova York (Marcus, 1970:99). E entre 1720 e 1728 adquiriu os navios "Samuel", "Abigail" e "William", em sociedade com um comerciante não judeu de Boston (Faber 1998:102). 

Ela também era proprietária do navio "Esther", em sociedade com os comerciantes judeus de Boston e Nevis (Faber 1998:102). Esses navios comerciavam suas mercadorias nos portos de Nevis, Barbados, Boston, Rhode Island, Madeira e Londres (Faber 1998:102). O último registro conhecido que menciona Esther é um recibo datado de 1º. de fevereiro de 1731 (Common Records of Nevis 1728-1746). A data da morte de Esther não é certa, mas seu testamento foi lido em St. Kitts entre os anos 1733 e 1734. 

A mãe de Esther era Rachel Pinheiro, de Amsterdam, de acordo com o registro de seu casamento em 1656 e o testamento de Isaac, de 1708 (DTB 682:374). O nome de seu pai é desconhecido.
 
Os filhos de Isaac e Esther
 
De acordo com o testamento de Isaac, ele e Esther tiveram cinco filhos: Abraão, Jacó, Moisés, Judith, Rebeca e Sarah. O filho mais velho, Abraham, morreu 
no ano em que Isaac escreveu seu testamento, em 1708. Não temos informações sobre suas filhas. Seus filhos, Jacó e Moisés, porém, ocasionalmente, aparecem nos registros de Nevis. 

SECOND GENERATION IN THE WEST INDIES 
Segunda geração nas Antilhas 

JACOB PINHEIRO (after 1687 - ?) JACOB PINHEIRO (depois de 1687 -?) 

JACOB may, or may not be, one of the male members of the PINHEIRO household indicated in the 1708 census. JACOB pode, ou não pode ser, um dos membros masculinos da família PINHEIRO indicado no censo de 1708. 

According to his father's will of 1708, JACOB had not yet reached the age of twenty-one in that year indicating that he was born after 1687. De acordo com a vontade do pai de 1708, JACOB ainda não tinham atingido a idade de vinte e um anos em que indica que ele nasceu depois de 1687. 

He and his brother MOSES appear to have come along rather late in ISAAC and ESHER's lives. Ele e seu irmão Moisés parecem ter chegado um pouco tarde ao longo do ISAAC e vive ESHER's. Were they possibly adopted? Foram eles possivelmente adotada? In 1712 he appeared in a court record with his mother ESTER (Stern 1958:158). Em 1712 ele apareceu em um registro de corte com a sua mãe Ester (Stern, 1958:158). In 1719 JACOB, whose occupation was given as "merchant" took his brother MOSES to court in order to have partitioned the estate in St. John's parish that they were given jointly in ISAAC's will (King's Bench and Common Pleas 1715-1723). 

Em 1719 JACOB, cuja ocupação foi dado como "comerciante" Moisés levou seu irmão para o tribunal, a fim de ter dividido a propriedade em St. John's freguesia que foram dadas em conjunto, será ISAAC's Bench (King's e comum Fundamentos 1715-1723). The court ruled that the plantation was to be divided. O tribunal decidiu que a plantação era para ser dividido. In other court records between 1715 and 1723, JACOB was described as a "planter" (Kings Bench and Common Pleas 1715-1723). Em outros registros do tribunal entre 1715 e 1723, Jacob foi descrito como um senhor de engenho "(Kings Bench comum Fundamentos e 1715-1723). JACOB is last recorded in the Common Records of Nevis of 1734-1737. Jacob é passado nos Registros de Nevis comum de 1734-1737. In one of the entries from these years his place of residence is given as St. Kitts. Em uma das entradas a partir destes anos de residência é dado como São Cristóvão. The remainder of JACOB's life is undocumented. O restante da vida de Jacó é irregular. Unlike his brother MOSES, JACOB does not appear to have gone to Barbados, but rather he may have settled in Jamaica as a JACOB PINHEIRO appears in a 1745 list of Jewish households in Kingston, Jamaica (Faber 1998:192). Ao contrário de seu irmão Moisés, Jacó, não parece ter ido para Barbados, mas ele pode ter resolvido na Jamaica como uma PINHEIRO JACOB aparece em uma lista de 1.745 famílias judias em Kingston, Jamaica (Faber 1998:192). 

MOSES PINHEIRO (1695 - 1755) Moisés Pinheiro (1695 - 1755) 
LUNAH PINHEIRO (1702-1770) LUNAH PINHEIRO (1702-1770) 

MOSES was most likely one of the male members of the Pinheiro household indicated in the 1708 census. MOISÉS foi uma maior probabilidade de os membros masculinos da família Pinheiro indicado no censo de 1708. According to his father's 1708 will MOSES had not yet reached the age of eighteen in that year indicating that he was born after 1690 (1695 according to his gravestone). De acordo com o seu pai vai MOSES 1708 ainda não tinham atingido a idade de dezoito anos em que indica que ele nasceu depois de 1690 (1695 de acordo com sua lápide). He and his brother JACOB appear to have come along rather late in ISAAC and ESHER's lives. Ele e seu irmão Jacob parecem ter chegado um pouco tarde ao longo do ISAAC e vive ESHER's. Were they possibly adopted? Foram eles possivelmente adotada? In 1719 his older brother JACOB took him to court in order to have partitioned the estate in St. John's parish that they were given jointly in ISAAC's will (King's Bench and Common Pleas 1715-1723). Em 1719 seu irmão mais velho JACOB o levou a tribunal a fim de ter dividido a propriedade em St. John's freguesia que foram dadas em conjunto, será ISAAC's Bench (King's e comum Fundamentos 1715-1723). According to this document, MOSES was a "planter" by trade. Segundo este documento, Moisés era um plantador "pelo comércio. The court ruled that the plantation was to be divided. O tribunal decidiu que a plantação era para ser dividido. MOSES appeared in additional court cases between 1715 and 1723 (King's Bench and Common Pleas 1715-1723). Moisés apareceu em casos de corte adicional entre 1715 e 1723 Bench (Rei e comum Fundamentos 1715-1723). By 1726, though, MOSES had moved to St. Michael's parish, Barbados, and had married his wife LUNAH. By 1726, porém, Moisés mudou-se para a paróquia de St. Michael, Barbados, e havia casado com sua esposa LUNAH. On November 22, 1726 MOSES and LUNAH appointed his mother ESTER as their lawful attorney to carry out their interests on Nevis (Common Records of Nevis 1707-1728:646). Em 22 de novembro de 1726 MOISÉS LUNAH e nomeou seu ESTER mãe como seu procurador legal para realizar os seus interesses em Nevis (Comum Registros de Nevis 1707-1728:646). The only additional references to MOSES on Nevis are land records dated 1737, 1738, and 1754. As únicas referências adicionais a Moisés no Nevis são registros de terra datada de 1737, 1738 e 1754. MOSES PINHEIRO died on Barbados on July 14, 1755. Moisés Pinheiro morreu em Barbados, em 14 de julho de 1755. His gravestone recorded in English, Hebrew, and Portuguese with a carving of a tree chopped down, is in the cemetery of the synagogue at Bridgetown (Shilstone 1956:151). Seu túmulo gravado em Inglês, Hebraico e Português com uma escultura de uma árvore cortada, está no cemitério da sinagoga em Bridgetown (Shilstone 1956:151). MOSES' wife LUNAH, who died on March 17, 1770, is also buried at Bridgetown (Shilstone 1956:155). A mulher de Moisés LUNAH, que morreu em 17 de março de 1770, também está enterrado em Bridgetown (Shilstone 1956:155). 
THIRD GENERATION IN THE WEST INDIES TERCEIRA GERAÇÃO EM Antilhas 
The links between the second and third generations of PINHEIROs on Barbados are not documented. As ligações entre a segunda e terceira gerações de Pinheiros em Barbados não são documentados. But as MOSES and LUNAH were the first, and only PINHEIROs, of their generation to emigrate to Barbados, we can assume that the PINHEIROs of this generation are in fact their children. PINHEIROS Mas como Moisés e LUNAH foram os primeiros, e apenas, de sua geração a emigrar para Barbados, podemos supor que o PINHEIROS desta geração são de fato seus filhos. The birth dates, naming pattern, and the transference of land on Nevis, all substantiate this conclusion. As datas de nascimento, de nomenclatura padrão, ea transferência de terras em Nevis, todos fundamentar esta conclusão. 
ISAAC PINHEIRO (1721 - 1795) ISAAC PINHEIRO (1721 - 1795) 
After the death of ESTER PINHEIRO, Barbados replaced Nevis as the geographical center of the PINHEIRO family. Após a morte de ESTER PINHEIRO, Barbados ter Nevis como o centro geográfico da família Pinheiro. In fact, after the reference in 1754 to land owned by MOSES PINHEIRO, no mention of the PINHEIROs is found in the public records of Nevis until that same piece of property is attributed to an ISAAC PINHEIRO, of Barbados, in 1776 (Common Records of Nevis 1776-1777:455-458). De fato, após a referência em 1754 a terra possuída por Moisés Pinheiro, nenhuma menção do Pinheiros é encontrado nos registros públicos de Nevis até essa mesma parte da propriedade é atribuída a uma PINHEIRO ISAAC, de Barbados, em 1776 (Comum Registros de Nevis 1776-1777:455-458). It would appear that ISAAC inherited this piece of land after MOSES' death in 1755. Ao que parece, ISAAC herdado este pedaço de terra após a morte de Moisés, em 1755. 
Two ISAAC PINHEIROs are recorded in the burial register of the Barbados Jewish community. Dois PINHEIROS ISAAC são registados no registo do enterro da comunidade judaica Barbados. As one of these ISAACs was not born until 1775, we can rule him out as the owner of the Nevis property in 1776. Como um desses ISAACS não nasceu, até 1775, podemos deixá-lo fora como o proprietário do imóvel Nevis em 1776. The second ISAAC is a much better fit. ISAAC O segundo é um ataque muito melhor. Born in 1721, he was 74 years of age when he died on November 9, 1795 (Shilstone 1956:173). Nascido em 1721, ele tinha 74 anos de idade quando ele morreu em 9 de novembro de 1795 (Shilstone 1956:173). The relationship of this ISAAC to MOSES PINHEIRO is not clear, but his age and the fact that he appears to have inherited MOSES' Nevis property would indicate that he is likely the eldest son of MOSES and LUNAH PINHEIRO named after his paternal grandfather. A relação deste Isaac para Moisés Pinheiro não é clara, mas a sua idade eo fato de que ele parece ter herdado a propriedade MOISÉS Nevis indicaria que ele é provavelmente o filho mais velho de Moisés e PINHEIRO LUNAH homenagem a seu avô paterno. The entry of his death in the burial register of the Barbados community and the record of his land ownership on Nevis are presently the only references known to ISAAC PINHEIRO. A entrada de sua morte no registo enterro da comunidade de Barbados e do registro de sua propriedade da terra em Nevis são actualmente as únicas referências conhecidas ISAAC PINHEIRO. 
ABRAHAM PINHEIRO (1726 - 1755) ABRAHAM PINHEIRO (1726 - 1755) 
REBECCA PINHEIRO (1712 - 1768) REBECCA PINHEIRO (1712 - 1768) 
Their adjacent burial stones in the Jewish cemetery in Bridgetown and the entries of their deaths in the burial register of the Barbados community are all that are known of ABRAHAM and REBECCA PINHEIRO. Suas pedras adjacentes enterro no cemitério judeu, em Bridgetown e as entradas de suas mortes no registo enterro da comunidade Barbados são todos que são conhecidos de Abraão e PINHEIRO Rebecca. His date of death is given as March 5, 1755, and hers as October 31, 1768 (Shilstone 1956:152-153). Sua data do óbito é dado como 5 de março de 1755, e dela como 31 de outubro de 1768 (Shilstone 1956:152-153). ABRAHAM is likely a son of MOSES and LUNAH PINHEIRO named after his paternal great grandfather. Abraão é provável que um filho de Moisés e PINHEIRO LUNAH homenagem a seu avô paterno grande. 
JACOB PINHEIRO (1729 - 1803) JACOB PINHEIRO (1729 - 1803) 
HANAH PINHEIRO (1727 - 1818) HANAH PINHEIRO (1727 - 1818) 
The deaths of JACOB and HANAH PINHEIRO are recorded in the burial register of the Barbados Jewish community. A morte de Jacó e PINHEIRO HANAH são registados no registo do enterro da comunidade judaica Barbados. His date of death is given as March 31, 1803, and hers as June 6, 1818 (Shilstone 1956:173, 175). Sua data de morte é dada como 31 de março de 1803, e dela como 6 de junho de 1818 (Shilstone 1956:173, 175). HANAH was recorded as a Barbados slaveholder in 1817 (Faber 1998:227). HANAH foi registrado como um escravagista Barbados, em 1817 (Faber 1998:227). 
JACOB and HANAH had two spinster daughters LUNAH (1751-1824) and JAEL (1760-1831). JACOB HANAH e tinha duas filhas LUNAH solteirona (1751-1824) e Jael (1760-1831). Miss LUNAH and Miss JAEL were both listed as Jewish inhabitants of Bridgetown, Barbados in 1810, 1815, and 1818 (Faber 1998:223). Miss LUNAH e Miss JAEL ambos foram listados como habitantes judeus de Bridgetown, Barbados, em 1810, 1815 e 1818 (Faber 1998:223). An 1814 document indicates that JAEL owned a piece of land near the burial ground in Bridgetown (Shilstone 1956:xxxii). Um documento de 1814 indica que Jael possuía um pedaço de terra perto do cemitério, em Bridgetown (Shilstone 1956: xxxii). LUNAH and JAEL were also recorded as Barbados slaveholders in 1817 (Faber 1998:227). LUNAH e Jael também foram registrados como escravos Barbados, em 1817 (Faber 1998:227). LUNAH died on May 22, 1824 and JAEL followed seven years later on August 11, 1831 (Shilstone 1956:175, 176). LUNAH morreu no dia 22 de maio de 1824 e Jael seguido sete anos depois, em 11 de agosto de 1831 (Shilstone 1956:175, 176). 
RACHEL PINHEIRO (1737 - 1822) RACHEL PINHEIRO (1737 - 1822) 
RACHEL PINHEIRO owned a piece of land near the Bridgetown Jewish cemetery according to an 1814 land transaction (Shilstone 1956:xxxii). RACHEL PINHEIRO dono de um pedaço de terra perto do cemitério de Bridgetown Jewish acordo com uma operação terrestre 1814 (Shilstone 1956: xxxii). She was listed amongst the Jewish inhabitants of Bridgetown in 1798, 1810, 1815, and 1818 (Faber 1998:223) and was recorded as a slaveholder in 1817 (Faber 1998:227). Ela foi listada entre os habitantes judeus de Bridgetown, em 1798, 1810, 1815 e 1818 (Faber 1998:223) e foi registrado como um proprietário de escravos em 1817 (Faber 1998:227). Her relationship to the other PINHEIROs is not clear, but her date of birth and name indicate that she may have been a daughter of MOSES and LUNAH PINHEIRO. Sua relação com o outro PINHEIROS não é clara, mas a sua data de nascimento e nome indicam que ela pode ter sido uma filha de Moisés e PINHEIRO LUNAH. RACHEL died a spinster on June 4, 1822 (Shilstone 1956:175). Raquel morreu solteira em 4 de junho de 1822 (Shilstone 1956:175). 
DAVID PINHEIRO (1734-1781) David Pinheiro (1734-1781) 
JAEL PINHEIRO (1749 - 1782) JAEL PINHEIRO (1749 - 1782) 
Their adjacent burial stones in the Jewish cemetery in Bridgetown and the entries of their deaths in the burial register of the Barbados community are all that is recorded of DAVID and JAEL PINHEIRO. Suas pedras adjacentes enterro no cemitério judeu, em Bridgetown e as entradas de suas mortes no registo enterro da comunidade Barbados são tudo o que é gravado de Davi e PINHEIRO Jael. His date of death is given as November 23, 1781, and hers as June 2, 1782 (Shilstone 1956:125-126). Sua data de morte é dada como 23 de novembro de 1781, e dela como 2 de junho de 1782 (Shilstone 1956:125-126). Although his relationship to the other PINHEIROs is not clear, DAVID's date of birth and the naming of his son MOSES indicate that he was likely a son of MOSES and LUNAH PINHEIRO. Apesar de sua relação com o outro PINHEIROS não é clara, DAVID data de nascimento e da nomeação de seu filho MOISÉS indicam que ele provavelmente era um filho de Moisés e PINHEIRO LUNAH. 
FOURTH GENERATION IN THE WEST INDIES Quarta Geração Nas Antilhas 
MOSES PINHEIRO (1775 - 1831) Moisés Pinheiro (1775 - 1831) 
LEAH PINHEIRO (1756 - 1852) LEAH PINHEIRO (1756 - 1852) 
MOSES PINHEIRO's entry in the burial register of the Barbados Jewish community identifies him as a son of DAVID PINHEIRO (Shilstone 1956:62). MOISÉS PINHEIRO entrada no registo do enterro da comunidade judaica Barbados identifica-lo como filho de David Pinheiro (Shilstone 1956:62). As the PINHEIRO family demonstrates a naming pattern in which children are named after grandparents, he was likely the grandson of MOSES PINHEIRO, the youngest son of ISAAC and ESTER PINHEIRO of Nevis. Enquanto a família PINHEIRO demonstra um padrão de nomenclatura em que as crianças têm o nome de avós, era provável que o neto de Moisés Pinheiro, o filho mais novo de Isaac e de ESTER PINHEIRO Nevis. MOSES was listed amongst the Jewish inhabitants of Bridgetown, Barbados in 1798, 1810, 1815, and 1818 (Faber 1998:223) and he was recorded as a Barbados slaveholder in 1817 (Faber 1998:227). MOISÉS foi listado entre os habitantes judeus de Bridgetown, Barbados, em 1798, 1810, 1815 e 1818 (Faber 1998:223) e ele foi registrado como um escravagista Barbados, em 1817 (Faber 1998:227). On September 26, 1831, MOSES wrote up his final will and testament. Em 26 de setembro de 1831, Moisés escreveu a sua última vontade e testamento. In it he divides his estate amongst his wife LEAH, his son DAVID, his daughter JAEL (wife of DANIEL PASS), his granddaughter LEAH, and others. Nela, ele divide sua herança entre os LEAH sua esposa, seu filho David, sua filha Jael, mulher (de DANIEL PASS), LEAH sua neta, e outros. MOSES died on November 22, 1831 and was buried in the Jewish cemetery at Bridgetown (Shilstone 1956:62). Moisés morreu em 22 de novembro de 1831 e foi enterrado no cemitério judaico em Bridgetown (Shilstone 1956:62). LEAH died twenty-one years later on July 6, 1852 and is identified in the burial register as the widow of MOSES PINHEIRO (Shilstone 1956:178). LEAH morreu vinte e um anos depois, em 6 de julho de 1852 e é identificado no registo enterro como a viúva de Moisés Pinheiro (Shilstone 1956:178). A copy of MOSES' will was sent to Nevis in 1845 by the executor of his estate (Common Records of Nevis 1840-1846:721). Uma cópia da vontade de Moisés foi enviado para Nevis em 1845 pelo executor de sua propriedade (comum Registros de Nevis 1840-1846:721). This action indicates that MOSES still held interests or accounts on Nevis. Esta ação indica que Moisés ainda tinha interesses ou contas em Nevis. Most likely MOSES had inherited the piece of land that had been passed from his grandfather MOSES PINHEIRO to his uncle ISAAC PINHEIRO. A maioria MOISÉS provavelmente tinha herdado o pedaço de terra que havia sido passado de seu avô PINHEIRO MOISÉS ao seu tio ISAAC PINHEIRO. From 1776 to until 1862 this parcel of land is referred to as belonging to the "Heirs of Pinheiro." De 1776 para até 1862 esta parcela de terra é referido como pertencente aos herdeiros "de Pinheiro". When it finally passes out of the PINHEIRO family in 1862 it is again attributed to MOSES PINHEIRO (Common Records of Nevis 1859-1869). Quando ele finalmente passa fora da família Pinheiro, em 1862, é novamente atribuída a Moisés PINHEIRO (Comum Registros de Nevis 1859-1869). In all likelihood the estate of the MOSES PINHEIRO who died in 1831 had been settled by 1862, in which case the MOSES who finally oversees the land sale is likely the grandson of this MOSES by his son DAVID. Em toda a probabilidade o património do PINHEIRO Moisés, que morreu em 1831 tinha sido resolvido de 1862, caso em que o Moisés, que, finalmente, fiscaliza a venda do terreno é provável que o neto do Moisés por seu filho David. 
FIFTH GENERATION IN THE WEST INDIES Quinta Geração Nas Antilhas 
DAVID PINHEIRO DAVID PINHEIRO 
In 1831 DAVID PINHEIRO is mentioned in the will of his father MOSES PINHEIRO (Common Records of Nevis 1859-1869). Em 1831, David Pinheiro é mencionado no testamento de seu pai, Moisés Pinheiro (Comum Registros de Nevis 1859-1869). No additional information is available for DAVID. Nenhuma informação adicional está disponível para Davi. We might assume that the MOSES PINHEIRO who the lands on Nevis were attributed to in 1862 was his son. Podemos supor que os PINHEIRO Moisés que as terras em Nevis foram atribuídos em 1862 era seu filho. 
JAEL PINHEIRO (? - 1848) JAEL PINHEIRO (? - 1848) 
DANIEL PASS (DANIEL DE NAPHTALI PASS DE LEON) (? -1833) DANIEL PASS (Naftali DANIEL DE PASSAGEM DE LEON) (? -1833) 
JAEL, the daughter of MOSES and LEAH PINHEIRO, married DANIEL PASS prior to 1831. Jael, a filha de Moisés e PINHEIRO Leah, casada DANIEL PASS antes de 1831. They had a daughter LEAH, named for her grandmother. Eles tinham uma filha LEAH, nomeado para a avó. DANIEL (a son of NAPHTALI PASS), had been previously married on October 20, 1819 to SARAH MOSES DE CASTRO, who died on September 3, 1820 (Shilstone 1956:175). DANIEL (filho de Naftali PASS), havia sido casado em 20 de outubro de 1819 a Sarah Moisés de Castro, que morreu no dia 3 de setembro de 1820 (Shilstone 1956:175). It appears that SARAH died after having given birth to MIRIAM HANAH (MARY ANN) PASS who died December 3, 1821 and is identified in the burial register as the "child of DANIEL PASS aged 3 months and 8 days" (Shilstone 1956:175). Parece que Sarah morreu depois de ter dado à luz MIRIAM HANAH (Mary Ann) PASS que morreu 3 de dezembro de 1821 e é identificado no registo enterro como o filho de Daniel PASS com idade entre 3 meses e 8 dias "(Shilstone 1956:175) . It is not clear whether the child NAPTHTELI PASS who died on October 5, 1829 and who was also identified as a "child of DANIEL PASS" was a son by SARAH or JAEL (Shilstone 1956:176). Não está claro se a criança NAPTHTELI PASS que morreu em 5 de outubro de 1829 e que também foi identificada como uma criança "de Daniel PASS" era um filho de Sarah ou Jael (Shilstone 1956:176). Likewise we can not be sure who the mother was of MOSES PASS who died at an undisclosed age February 1, 1832 and was identified as a "son of DANIEL PASS" in the burial register (Shilstone 1956:177). Da mesma forma não podemos ter certeza de que a mãe era de MOISÉS PASS que morreram em uma idade não revelada 1 de fevereiro de 1832 e foi identificada como um "filho de DANIEL PASS" no registo de enterro (Shilstone 1956:177). If his name is any indication, he is likely a son of JAEL named for her father MOSES PINHEIRO. Se seu nome é uma indicação, ele é provavelmente um filho de Jael nomeado por seu pai Moisés Pinheiro. DANIEL PASS died in December of 1833 (Shilstone 1956:177). DANIEL PASS morreu em dezembro de 1833 (Shilstone 1956:177). JAEL died fifteen years later on November 19, 1848 and is identified in the burial register as the widow of DANIEL PASS and daughter of MOSES PINHEIRO (Shilstone 1956:178). JAEL morreu quinze anos mais tarde em 19 de novembro de 1848 e é identificado no registo enterro como a viúva de DANIEL PASS e filha de Moisés Pinheiro (Shilstone 1956:178). 

FONTES 
Common Records of Nevis 
Doop Trouwen Begraafboeken (DTB)/ Gemeentearchief of Amsterdam. No Gemeentearchief de Amesterdão. 
Faber, Eli Faber, Eli 
1998 Jews, Slaves, and the Slave Trade: Setting the Record Straight. 1998 judeus, escravos e do Tráfico de Escravos: Setting the Record Straight. New York: New York University Press. Nova York: New York University Press. 
Hershkowitz, Leo Hershkowitz, Leo 
1966 Wills of Early New York Jew, 1704-1740. 1966 Early Wills de Nova York judeu, 1704-1740. American Jewish Historical Society Quarterly, Vol. American Jewish Historical Society Quarterly, vol. 55 (3), pp. 55 (3), pp. 319-363. 319-363. 
King's Bench and Common Pleas of Nevis Bancada do Rei e comum Fundamentos de Nevis 
Marcus, Jacob Marcus, Jacob 
1970 The Colonial American Jew 1492-1776, Volume I. Detroit: Wayne State University. 1970 The Colonial American Jew 1492-1776, Volume I. Detroit: Wayne State University. 
Oliver, Vere Langford, editor Oliver, Vere Langford, editor 
1919 Caribbeana: Being Miscellaneous Papers Relating to the History, Genealogy, Topography, and Antiquities of the British West Indies, 6 Volumes. 1919 Caribbeana: Ser documentos diversos relacionados com a História, Genealogia, topografia e Antiguidades da British West Indies, 6 Volumes. London: Mitchell Hughes and Clarke. Londres: Mitchell Hughes e Clarke. 
Pool, David de Sola Piscina, David de Sola 
1952 Portraits Etched in Stone: Early Jewish Settlers, 1682-1831. 1952 Retratos Etched in Stone: primeiros colonos judeus, 1682-1831. New York: Columbia University Press. Nova York: Columbia University Press. 
Sachar, Howard Sachar, Howard 
1994 Farewell Espana: The World of the Sephardim Remembered. 1994 Farewell Espana: O Mundo dos Remembered sefarditas. New York: Vintage Books. Nova York: Vintage Books. 
Shilstone, EM Shilstone, EM 
1956 Monumental Inscriptions in the Burial Ground of the Jewish Synagogue at Bridgetown, Barbados. 1956 inscrições monumentais no cemitério da sinagoga judaica em Bridgetown, Barbados. 
Stern, Malcolm Stern, Malcolm 
1958 Some Notes on the Jews of Nevis. 1958 Algumas notas sobre os judeus de Nevis. American Jewish Archives, 10(2):151-159. American Jewish Archives, 10 (2) :151-159. 
Swetschinski, Daniel Swetschinski, Daniel 
1982 Conflict and Opportunity in "Europe's Other Sea": The Adventure of Caribbean Jewish Settlement. 1982 Conflito e Opportunity em "Sea Outros Europa": A Aventura do Caribe Jewish Settlement. American Jewish History, Volume LXXII (2):212:240. American Jewish History, volume LXXII (2): 212:240. 

All Pinheiros Alphabetized by First Name | The Pinheiros of Nevis and Barbados Family Tree | Pinheiros Not Included in the Tree Todos Alfabetizado Pinheiros por Nome | O Pinheiros de Neves e Barbados Family Tree | Pinheiros Não incluído na árvore 



The Jewish Community of Nevis Archaeology Project | Michelle Terrell's Homepage Página Inicial A Comunidade Judaica de Nevis Archaeology Project | Michelle Terrell 
terre011@tc.umn.edu | Revised November 2001 terre011@tc.umn.edu | Revista novembro 2001 

Enregistrer un commentaire